Paraná Cooperativo

Informe Diário nº 2735, Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2011
Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR - Apoio: Getec

INFRAESTRUTURA I: PR tem R$ 3 bi de recursos previstos para rodovias e ferrovias até 2014

Até 2014, o Paraná dispõe de R$ 3 bilhões em recursos previstos pelo governo federal para obras de melhoria nas malhas rodoviária e ferroviária, de acordo com a ministra chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, que recebeu, na tarde desta quarta-feira (07/12), em Brasília, os representantes das entidades que compõem o Fórum Permanente Futuro 10 Paraná, entre eles, o presidente do Sistema Ocepar, João Paulo Koslovski. “O encontro, que teve como ponto central a discussão da área de infraestrutura, foi muito positivo. Nós detalhamos à ministra as reivindicações do Fórum. A questão em relação ao volume de recursos para as rodovias e ferrovias está bem encaminhada. A ministra também nos informou que estão garantidas verbas para as obras nos aeroportos de Cascavel e Maringá. Quando ao Afonso Pena, na região metropolitana de Curitiba, estão sendo feitos estudos para a construção da terceira pista”, explicou Koslovski.

 

Estudo - Levantamento realizado pelo Fórum Futuro 10 indicou que serão necessários cerca de R$ 7 bilhões até 2015 para resolver boa parte dos problemas de infraestrutura de transporte existentes no Paraná. Membros do Fórum sugeriram à bancada paranaense no Congresso Nacional a apresentação de emendas coletivas para assegurar os recursos por meio do orçamento da União de 2012 e do Plano Plurianual do governo federal referente ao período de 2012 a 2015. “De acordo com a ministra, como nós já apresentamos essa proposta ao coordenador da bancada, deputado Fernando Giacobo, é necessário agora aguardar a viabilização das emendas”, disse o presidente da Ocepar. Ainda de acordo com ele, Gleisi também frisou a necessidade do Paraná apresentar projetos para que o governo federal possa destinar mais recursos ao Estado.

 

Portos - Em relação ao modal portuário, o estudo do Fórum mostrou a demanda de investimentos na ordem de R$ 1 bilhão em obras prioritárias como dragagem e aprofundamento, substituição de equipamento no corredor de exportação, derrocagem submarina, berço para veículos e para navios de passageiros e ampliação do Porto de Antonina, entre outras. “Precisamos resolver os gargalos existente no Paraná, principalmente no Porto de Paranaguá. A produção agropecuária está aumentando e não podemos mais deixar que os atuais entraves continuem prejudicando as exportações e comprometendo a nossa competitividade. Soluções urgentes devem ser tomadas para que possamos estar inseridos no mercado de forma eficiente”, disse Koslovski. Felizmente, há uma sinergia muito grande entre o governo federal e estadual e estamos sentindo boa vontade de ambas as partes em fazer as coisas acontecerem”, acrescentou Koslovski. 

 

INFRAESTRUTURA II: Gleisi pede para recolocar dragagem de Paranaguá no PAC 2

A ministra da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, solicitou ao Ministério do Planejamento a realocação de recursos específicos para a dragagem do Porto de Paranaguá na segunda fase do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2). Entre 2008 e 2010, o PAC 1 reservou R$ 53 milhões para a obra, que não saiu do papel por problemas de licenciamento e divergências entre os governos estadual e federal. Gleisi falou sobre o pedido nesta quarta-feira (07/12), durante audiência com representantes do Fórum Permanente Futuro 10 Paraná no Palácio do Planalto.

 

Recuperação do investimento - “Estamos buscando uma maneira de recuperar esse investimento”, disse a ministra. Em outubro, a Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa) e a Secretaria dos Portos chegaram a um acordo para dividir o trabalho em duas etapas. A primeira, de manutenção, está avaliada em R$ 30 milhões e vai ficar por conta do governo do estado. A seguinte, de aprofundamento da dragagem, está estimada em R$ 100 milhões e vai ser custeada pela União.

 

Fases - As fases devem demorar dez meses cada uma, mas dependem de estudos de impacto e licenças ambientais. Com o projeto em dia, a manutenção no PAC 2 deve facilitar a liberação do dinheiro, já que as obras previstas no programa são liberadas com mais agilidade e escapam de cortes feitos pelo governo ao longo da execução orçamentária.

 

Urgente - “O porto é uma prioridade que não pode mais esperar”, disse o presidente da Organização das Cooperativas do Estado do Paraná (Ocepar), João Paulo Koslovski. Ele foi um dos 16 representantes de entidades da sociedade civil que integram o Fórum que participaram do encontro na Casa Civil. O grupo trabalha na elaboração de um plano estratégico integrado de desenvolvimento para o Paraná.

 

Prioridades - Durante a conversa foram apresentadas demandas de outros investimentos em infraestrutura considerados prioritários. Gleisi se comprometeu a articular uma visita a Curitiba do ministro dos Transportes, Paulo Passos, para traçar um diagnóstico das principais obras em ferrovias e rodovias previstas para o estado no orçamento federal. (Gazeta do Povo)

 

FÓRUM: Ocepar reúne especialistas para discutir clima e Código Florestal

Questões relativas a mudanças climáticas e ao novo Código Florestal Brasileiro estarão em debate no Fórum Jurídico e de Meio Ambiente que o Sistema Ocepar promove, no próximo dia 16 de dezembro, a partir das 9h30, na sede da organização, em Curitiba. Entre os especialistas convidados a ministrar palestra estão o professor da Universidade Federal do Paraná (UFPR) e pós doutor pela Universidade de Sorbone, Francisco de Assis Mendonça; a pesquisadora do Icone -Instituto de Estudos do Comércio e Negociações Internacionais e da RedeAgro, Laura B Antoniazzi; o consultor jurídico da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), doutorando em Direito Socioambiental na PUC/PR e mestre em Direito Ambiental pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Leonardo Papp e Moises Savian, da Gerência de Sustentabilidade Ambiental do Ministério de Meio Ambiente.

 

Informações - Mais informações com Sílvio Krinski (e-mail: silvio@ocepar.org.br) ou Márcia Bezerra (marcia.bezerra@sescooppr.org.br).

 

Clique aqui e confira a programação completa do Fórum Jurídico e de Meio Ambiente
 

2012 I: OCB promove lançamento do Ano Internacional das Cooperativas

A Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB) promove, no dia 14 de dezembro, às 12h, em sua sede, em Brasília (DF), o lançamento do Ano Internacional das Cooperativas – 2012. A comemoração foi instituída pela Organização das Nações Unidas (ONU) e terá como tema “Cooperativas constroem um mundo melhor”. A ideia é aumentar o interesse público sobre as cooperativas, mostrando a sua contribuição para o desenvolvimento socioeconômico e o alcance das metas do milênio; promover o crescimento delas e incentivar  governos a estabelecerem políticas, leis e regulamentações condizentes e propícias para a formação, o desenvolvimento e a estabilidade das cooperativas. (Com informações da OCB)

 

2012 II: Cooperativismo será tema de premiação promovida pelo Mapa

O Prêmio Tecnologia, Inovação e Empreendedorismo, que será promovido pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) no ano de 2012, trará como um dos temas a serem trabalhados por alunos de instituições públicas de educação profissional e tecnológica de todo o país o cooperativismo. O objetivo da premiação é estimular a aplicação dos conhecimentos técnico-científicos adquiridos pelos estudantes na construção de ideias, tecnologias e empreendimentos inovadores. “A ideia central é que os projetos contribuam para o desenvolvimento socioeconômico e ambiental dos territórios, geração de trabalho e renda, inclusão produtiva e social e inovação tecnológica”, afirmou o Secretário de Desenvolvimento Agropecuário e Cooperativismo do Mapa, Erikson Chandoha.

 

Edital - O lançamento do edital está previsto para o dia 10 de fevereiro de 2012, e o período de inscrições deverá se estender até 10/8. Para participar, os alunos interessados deverão desenvolver projetos que se enquadrem em uma das cinco temáticas: Tecnologia da Informação, Inovação Tecnológica, Inclusão Produtiva pelo Cooperativismo ou pelo Associativismo, Plano de Negócio de Micro ou Pequena Empresa Inovadora e Tecnologias Sociais e Assistivas. Após passarem por um processo de análise e avaliação, os três projetos que alcançarem a maior pontuação em cada temática serão premiados no dia 16 de novembro.

 

Papel do cooperativismo - “O tema ‘Inclusão Produtiva pelo Cooperativismo ou pelo Associativismo’ representa uma excelente oportunidade e apresentar ao público jovem o cooperativismo e o seu importante papel como indutor do desenvolvimento socioeconômico do país e como promotor de integração social”, ressaltou Chadoha. (Informe OCB)

 

INTEGRADA: Cooperativa completa 16 anos de fundação

A Integrada Cooperativa Agroindustrial comemorou, nesta quarta-feira (0712), 16 anos de vida. Com matriz em Londrina, ela atua nas regiões norte e oeste do Paraná e conta com mais de 6.500 associados. Fundada em 6 de dezembro de 1995, a Integrada surgiu para preencher uma lacuna criada depois de um período conturbado do cooperativismo paranaense. “Nosso começo foi muito difícil. Tínhamos pouco crédito e muito trabalho pela frente”, lembra o presidente da cooperativa, Carlos Murate. “Mas quando acreditamos em um ideal, vencemos todas as adversidades”, completa.

 

Evolução - No primeiro ano de funcionamento, o faturamento foi de R$ 97 milhões. Hoje, a Integrada faz parte das poucas cooperativas paranaenses com faturamento superior a R$ 1 bilhão. “Esse sucesso demonstra a confiança dos associados e parceiros comerciais no trabalho da cooperativa”, diz Murate.  

 

Grãos - Grande parte desse faturamento vem do recebimento de grãos, feito em 52 unidades. Somente em 2010, a Integrada comercializou 1,3 milhão de toneladas de soja, milho, trigo e café, entre outros produtos.

 

Industrialização - Agora, o desafio é aumentar a participação industrial no faturamento global. “Hoje nossas indústrias respondem por cerca de 20% desse volume. Queremos elevar esse percentual nos próximos anos”, afirma o superintendente da Integrada, Jorge Hashimoto. Para isso, a cooperativa está investindo R$ 30 milhões na construção de uma unidade industrial para processamento de milho, em Andirá.  A cooperativa já possui uma indústria, que produz anualmente 180 mil toneladas de diversas matérias-primas para as principais multinacionais de bebidas e alimentos do país. Com a nova indústria, a capacidade de produção vai atingir até 300 mil toneladas/ano.

 

Amido modificado - Além desses clientes, a cooperativa espera abrir o leque comercial com a área de amido modificado. “Vamos buscar um novo nicho de mercado, mais pulverizado e com valor agregado maior, voltado para indústrias de massas, biscoitos, sorvetes e até mesmo papel e celulose para produção de embalagens onduladas”, comenta Hashimoto.

 

Citricultura - Pensando na diversificação de renda dos associados, a cooperativa também está investindo na citricultura. Com o Projeto Sucos, a Integrada está incentivando o plantio de cinco mil hectares de laranja no norte do estado, além da implantação de uma indústria para extração de suco voltado para o mercado externo.

 

Sustentabilidade - Outro foco importante da Integrada é a sustentabilidade da atividade agrícola. Através de diversos programas socioambientais, a cooperativa incentiva a recuperação e conservação das matas ciliares e preservação de nascentes, além de incentivar a educação e leitura de obras do escritor Monteiro Lobato em centenas de escolas do Paraná. (Imprensa Integrada)

 

COAMO: Produtos alimentícios são premiados no cenário empresarial do país

Os Alimentos Coamo receberam três prêmios de prestígio no cenário empresarial neste final de ano. Os prêmios recebidos foram “Troféu Ponto Extra”, da Associação Paulista de Supermercados (Apas), “Marcas de Destaque” da revista Distribuição e “Cozinha Profissional”, detentora de um site para profissionais da área. Todas as avaliações contaram com a opinião de fornecedores, transformadores, consumidores e estabelecimentos como padarias, mercearias, armazéns, dentre outros.

 

Troféu Ponto Extra - A 16ª edição do Troféu Ponto Extra, premiou os Alimentos Coamo com a terceira colocação na categoria Mercearia Salgada. Participaram da avaliação fornecedores nacionais em 24 categorias, sendo que a escolha dos vencedores dependeu da análise de três aspectos: quantitativo, qualitativo e relacionamento com a Apas. A divulgação dos vencedores foi feita na revista da Apas, a Super Varejo. De acordo com os organizadores do evento o resultado final foi determinado por meio de uma ponderação dos pontos obtidos em cada critério de avaliação seguido pela associação.

 

Marca em Destaque – Já a revista Distribuição utilizou como critérios de avaliação para a 2ª edição do estudo “Marcas em Destaque” uma analise feita pela ABAD/Nielsen de um ranking de vendas. Foram analisados os produtos consumidos no pequeno varejo de um a quatro checkouts e no varejo tradicional, onde as cinco principais marcas de todo o Brasil em sete áreas Nielsen foram premiadas. Os Alimentos Coamo ficaram com o 4º lugar na grande São Paulo e 2º no Paraná na categoria Óleo de Soja.

 

Cozinha Profissional - Já o prêmio Cozinha Profissional determinou as empresas mais votadas em uma enquete realizada no site da instituição voltada à profissionais da área como padeiros, donos de armazéns, mercearias, dentre outras instituições. Com a 3º posição os Alimentos Coamo receberam o título na categoria Gordura.

 

Qualidade e excelência - Para o superintendente comercial da Coamo, Alcir José Goldoni, esses prêmios mostram o reconhecimento de um trabalho que prima pela qualidade e excelência. “Foram avaliações que consideraram informações sobre desempenho, qualidade, sabor, funcionalidade, aplicabilidade, além da opinião de quem compra nossos produtos e a nossa atuação no mercado. Isto é fruto do empenho da equipe industrial, logística e vendas. Outro ponto que merece destaque é a qualidade da produção entregue pelo nosso cooperado nos permite produzir um produto diferenciado no mercado e que esta sendo reconhecido pelos mais diversos consumidores,” afirma. (Imprensa Coamo)

 

BATAVO: Festa comemora sucesso do Cooperjovem em 2011

Mais de 320 alunos de 4º ano de escolas de Carambeí (PR) participaram, na última terça-feira (06/12), das atividades recreativas e culturais de encerramento do Programa Cooperjovem 2011 no município.  Na abertura do evento, realizado na sede da Associação dos Funcionários da Cooperativa Batavo, o secretário da Educação de Carambeí, professor Ângelo Carneiro, agradeceu o importante apoio da Batavo junto à Secretaria, favorecendo projetos que interagem escola e comunidade de entorno, transformando a vida das pessoas envolvidas no programa de forma acertiva.

 

Importância - “Sabemos da importância que a cooperativa tem no desenvolvimento do município e no interesse pela comunidade. Esta parceria valoriza também os professores, que garantem o sucesso do programa, contribuindo numa educação estruturada, formando cidadãos civilmente preocupados com o próximo”, define o secretário, que durante o evento já  firmou a continuidade do Cooperjovem para novas turmas de 2012.

 

Atividades - O agente do Cooperjovem da Batavo, Luciano Tonon Silva, apresentou as atividades desenvolvidas com as escolas em 2011, como as visitas ao Iapar, à cooperativa e ao Parque Histórico de Carambeí, juntamente com as capacitações e encontros do Cooperjovem com as professoras, mostrando como o programa fornece formação e ferramentas para sua aplicabilidade.

 

Premiações - O evento revelou talentos nas escolas. Foram premiados 14 alunos no Concurso de Redação, que receberam um kit escolar. A vencedora, Anna Paula Musial, da escola José Pedro Novaes Rosas, ganhou uma bicicleta. Na categoria projetos cooperativos, venceu o projeto que trabalhou temas como regras e valores que norteiam o Desenvolvimento Social, Econômico e Ambiental de uma Sociedade, desenvolvido pela professora Sintia Mara dos Santos, com sua turma da escola Fátima Augusta Bosa. Para Sintia, que ganhou um i-pod, o projeto resgatou nos alunos atitudes pelas quais regras e valores são elementos essenciais para o sucesso e o progresso da sociedade. As demais professoras, orientadoras e diretoras foram homenageadas com buquê de rosas.

 

Projetos - Os projetos desenvolvidos nas escolas mostraram a capacidade de mobilização das professoras junto a comunidade. No tema Biodiversidade, foi trabalhada a preservação da mata das araucárias através do plantio de pinheiros, e um estudo sobre a gralha-azul, uma ave em extinção responsável pela perpetuidade da espécie nativa. Outro projeto interessante trabalhou a criação do primeiro negócio, onde os alunos locavam dvd´s durante os intervalos das aulas, formando noções de empreendedorismo e de constituição de uma cooperativa, com assembléias para definir novas compras e aplicações do valor arrecadado.

 

Recreações - Após as premiações, os alunos aproveitaram a manhã para fazer um lanche nos bosques da associação, aproveitando para se divertiram com diversos brinquedos e atividades, como forma de retribuição pelo comportamento positivo proporcionado pela cooperação trabalhada durante o ano.

 

Objetivo cumprido - Para o coordenador do programa, Luciano Tonon Silva, mais uma vez o Cooperjovem atingiu seus objetivos, incitando nos pais, alunos, professores e escola a vontade de contribuir para uma sociedade melhor, pautada em valores que beneficiarão a futura geração. “Esta parceria entre cooperativa, Sescoop e Secretaria da Educação fortalece o programa, e cria ações nas escolas que favorecem a solidariedade, surgindo soluções inovadoras através do entrosamento entre professor, aluno e familiares”, finaliza, enaltecendo os professores pelos brilhantes trabalhos apresentados. (Imprensa Batavo)

 

AGRÁRIA: Exposição apresentará desafios e alegrias dos imigrantes suábios

Quem nos tempos atuais passa pelas ruas do distrito de Entre Rios, em Guarapuava (PR), não supõe que por trás do aspecto de organização e de tranquilidade, marcado por árvores e campos, existe a trajetória de imigrantes suábios do Danúbio (origem alemã) que, após haver abandonado suas propriedades no sudeste da Europa (Croácia, Romênia e Hungria) por causa da Segunda Guerra, viveram em seus primeiros anos de Brasil, na década de 50, a aventura de construir uma comunidade numa área até então sem estradas, abastecimento de água ou luz elétrica. 

 

60 anos - A história da imigração, que teve por base a fundação da Cooperativa Agrária e foi pontuada pela dificuldade inicial de compreender a língua, o clima e o solo do novo país, será um dos atrativos da festa dos 60 anos da imigração suábia que pioneiros e descendentes, com apoio da Cooperativa e da Fundação Cultural Suábio-Brasileira, promoverão, no distrito, de 4 a 8 de janeiro de 2012.

 

Fases - Na Praça Nova Pátria, os visitantes poderão percorrer uma exposição sobre as várias fases das comunidades suábias - uma série de estações apresentando em imagens e objetos os desafios que foram surgindo no decorrer dos anos. Em meio às curiosidades, o público descobrirá, por exemplo, que no final da década de 60 as frustrações de safra e a aparente falta de perspectivas haviam levado cerca de metade dos suábios a deixar o distrito, migrando para outros lugares do Brasil ou ainda partindo de volta para a Europa.

 

Inovação - Enfocando também Entre Rios e a Agrária nos dias de hoje, a exposição substituirá, neste jubileu, o tradicional desfile histórico, que era realizado em frente ao prédio administrativo da cooperativa. “A inovação é um dos valores da Agrária e por isso desta vez estamos inovando, com uma exposição em vez do desfile”, comentou o vice-presidente da Cooperativa, Paul Illich, que integra a comissão organizadora do evento.

 

Apresentações  - Trazendo ainda em sua programação apresentações de grupos de cultura tradicional suábia, ao lado de shows e bailes com vários conjuntos musicais, a festa dos 60 anos da imigração suábia em Entre Rios promete figurar entre os maiores eventos de Guarapuava no ano que vem.

 

Museu histórico - A maior parte da programação acontecerá, assim como a exposição histórica, também na Praça Nova Pátria. Um dos pontos altos da festa, entretanto, ocorrerá dia 5, às 17h, ao lado do Centro Cultural Mathias Leh: a inauguração do novo prédio do Museu Histórico de Entre Rios, numa cerimônia que deverá reunir autoridades estaduais, regionais e locais, e centenas de pessoas da comunidade. (Imprensa Agrária)

 

COCAMAR: Sorteio de camisas autografadas do Santos e do Corinthians nos jogos

Quem prestigiar o Solidariedade Futebol Clube nesta quinta-feira (08/12) no estádio municipal de Rolândia ou sexta-feira (09/12)no Willie Davids em Maringá, e fizer a doação de um quilo de alimento para ver o jogo, poderá acabar levando para casa um presente antecipado de Natal. Em ambas as apresentações da seleção brasileira de masters, a partir das 20h, contra combinados locais, serão sorteadas camisas autografadas do Santos, atual campeão da Copa Libertadores da América, e do Corinthians, campeão brasileiro de 2011.

 

Neymar e Ganso - O ex-ponta esquerda Edu, que coordena e integra a seleção de masters, trouxe de Santos duas camisas com a assinatura dos craques Neymar e Ganso. Uma vai ficar em Rolândia e outra em Maringá. “Praticar a solidariedade é sempre muito bom”, comenta o coordenador de comunicação e social da Cocamar, Douglas Eduardo Mattos. Ele acrescenta que, nas duas cidades, serão sorteadas também camisas do Corinthians, autografadas por ex-jogadores, entre os quais Zé Maria, Biro-Biro, Dinei, Zenon e Ezequiel, que compõem a equipe de masters. O público estará concorrendo, ainda, a cinco kits de produtos Purity e a cinco kits da cooperativa de crédito Sicredi, uma das apoiadoras do evento. A arrecadação de alimentos é destinada a entidades assistenciais. (Informe Cocamar)

 

RAMO CRÉDITO: Cooperativas abrem 313 novos postos de atendimento

As cooperativas de crédito continuam expandindo sua rede de atuação. De janeiro a outubro de 2011, o setor inaugurou 313 novos postos de atendimento cooperativo (PACs), contabilizando 37% de crescimento em relação ao mesmo período do ano anterior. Nesses primeiros dez meses, foram abertos 85 PACs a mais que a melhor marca registrada até o momento, de 2010, quando foram inaugurados 228 novos postos. Os dados foram levantados pelo Sistema OCB, com base em indicadores do Banco Central do Brasil (BC).

 

Profissionalismo da gestão - Para o presidente do sistema, Márcio Lopes de Freitas, o resultado reflete o investimento constante do cooperativismo de crédito no profissionalismo da gestão. “Nossas cooperativas têm oferecido, cada vez mais, produtos e serviços de qualidade e com taxas menores. O atendimento personalizado aos associados é outro diferencial”, disse. Freitas também ressalta o papel social desempenhado pelo segmento. “Com isso, temos ocupado um espaço crescente no mercado e contribuído diretamente para a inclusão financeira da população brasileira”, comenta.

 

Novos PACs - A cada dois dias úteis, são abertos três novos PACs, correspondendo a uma média de 31,3 estabelecimentos por mês. O estudo também mostra a evolução dos últimos cinco anos. Entre 2006 e 2010, foi inaugurada uma média de 167 novos postos nos primeiros dez meses de cada período. A menor marca foi observada em 2007, de 107 PACs.

 

Presença - Hoje, as cooperativas de crédito estão presentes em 45% dos municípios brasileiros, com mais de 4,7 mil pontos de atendimento (cooperativas + postos de atendimento). Mais de 400 desses têm baixa densidade demográfica, média de 20 habitantes por km2, e contam exclusivamente com a cooperativa como instituição financeira. Se o segmento compartilhasse suas estruturas, seria a segunda maior rede de atendimento do país.

 

Desenvolvimento - “Os dados mostram que o cooperativismo de crédito tem uma participação importante no desenvolvimento socioeconômico do país, estimulando o empreendedorismo local e auxiliando diretamente na criação de oportunidades de negócio e distribuição de renda com inclusão financeira”, complementa o presidente do Sistema OCB. (Informe OCB)

 

Números – cooperativismo de crédito

Janeiro a outubro de 2011

313 novos postos de atendimento (PACs)

 

Janeiro a outubro – 2006 a 2010

Média de 167 novos postos de atendimento (PACs) por período

 

Números gerais - ano 2010

Cooperativas (base 2010) – 1.370

Associados (base 2010) - 5,1 milhões

Empregados (base 2010) - 56 mil

Acumulado de 2010 - 1º semestre / 2011

Ativos – R$ 78 bilhões

Patrimônio – R$ 14.5 bilhões

Depósitos – R$ 35 bilhões

Empréstimos – R$ 33 bilhões 
 

RAMO SAÚDE: 2.º Super Papo de RH conta com a participação da Uniodonto Curitiba

Lançado em 2011, o Super Papo de RH Network foi criado com a intenção de proporcionar um espaço diferenciado onde líderes e formadores de opinião e gestores de RH pudessem se encontrar, trocar contatos e experiências de uma forma descontraída e interativa e, além disso, pudessem participar de palestras voltadas para o seu aprimoramento pessoal e profissional.

 

A segunda edição do Super Papo de Rh ocorreu no último dia 23 de novembro, no Bar Matriz e Filial, no bairro Água Verde, e contou com o apoio da Uniodonto Curitiba. Mais de 150 pessoas estiveram presentes no evento, que nesta edição trouxe a palestra "A Arte do Impossível" com Guillhermo Santiago, palestrante que trabalha o desenvolvimento através da musicalidade. Colaborador da Associação Brasileira de Treinamento e Desenvolvimento (ABTD), é coautor das obras "Manual de Treinamento e Desenvolvimento" e "Manual de Gestão e Pessoas".

 

Com uma palestra inovadora Guillhermo demonstrou, através de dinâmicas com os participantes, como a música e a arte ajudam na construção da ideia de trabalho em equipe e possibilita enxergar novas oportunidades no dia a dia profissional.

 

Guilhermo ainda ressaltou que geralmente gastamos todos os nossos recursos psicológicos e físicos para fazer apenas uma coisa, executar apenas uma estratégia e deixamos de ver novas possibilidades e oportunidades. "É preciso se permitir mudar, ver novos focos", diz o palestrante.

 

Durante o Super Papo de RH coordenadores e gerentes de RH também puderam se inteirar sobre os benefícios e diferenciais oferecidos pela Uniodonto Curitiba às empresas, e conhecer uma das 5 Unidades Móveis, a Odontomóvel, que ficou exposta no local do evento. (Imprensa Uniodonto Curitiba)

 

RAMO TRABALHO: Representantes do setor discutem ações

As prioridades para o ramo trabalho foram discutidas, na última terça-feira (06/12), na sede da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), em Brasília (DF). O representante Nacional do ramo, Geraldo Magela, destacou quatro dos assuntos em pauta: o Projeto de Lei 4622/04, que regulamenta o setor; o Plano Nacional de Conformidade de Cooperativas (PNC); a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), que traz oportunidades  para inúmeras cooperativas de trabalhadores em todo território nacional  e a participação do cooperativismo na Copa de 2014 e Olimpíadas de 2016.

 

Oportunidades de negócio - “Esses assuntos são de grande importância, pois estamos pensando nas oportunidades de negócios para as cooperativas do ramo trabalho e de outros setores com a movimentação desses eventos internacionais”. Magela explicou que existem várias formas de participação das cooperativas, pela diversidade de produtos e serviços que elas oferecem.

 

Tratamento mais justo - Sobre a aprovação do PL, Magela afirmou que um dispositivo legal apropriado vai proporcionar um tratamento mais justo para as cooperativas. “O cooperativismo estabelece uma boa relação com as pessoas e o trabalho, permitindo que esta relação não seja só de mercado, ou de empregado e empregador, proporcionado a participação ativa de todos os interessados no negócio”. (Informe OCB)

 

CÓDIGO FLORESTAL: Votação deve ficar para 2012, diz Marco Maia

O presidente da Câmara, Marco Maia, classificou como "pouco provável" a votação do projeto do novo Código Florestal (PLC 30/2011) ainda neste ano. Nesta quarta-feira (07/12), Maia avaliou que a proposta tem muitos pontos polêmicos, que não poderão ser debatidos nas poucas sessões restantes até o início do recesso parlamentar.

 

Senado - O novo Código Florestal foi aprovado pelo Plenário do Senado nesta quarta-feira (06/12), após mais de seis horas de debate, na forma de substitutivo dos senadores Jorge Viana (PT-AC) e Luiz Henrique (PMDB-SC). “Essa é uma matéria que ficará, provavelmente, para o início do próximo ano. De qualquer forma, o compromisso que eu tenho com as bancadas, com os partidos, é de viabilizar a votação do Código Florestal o mais rapidamente possível, e ela deverá ser uma das primeiras matérias a entrar na pauta de votações em 2012”, disse Marco Maia à Agência Câmara. (Agência Senado, com informações da Agência Câmara)

 

CONAB: Produção de grãos cai 2,6% em relação à última safra

A produção nacional de grãos para a safra 2011/12 deve chegar a 158,726 milhões de toneladas, com uma redução de 2,6% em relação as 162,958 milhões de toneladas colhidas na última safra. A previsão está do terceiro levantamento realizado pela Conab e anunciado nesta quinta-feira (08/12), em Brasília. A confirmação da estimativa depende de fatores de produção que interferem na produtividade durante todo o ciclo. Os dados serão consolidados à medida que estes fatores perderem a interferência.

 

Milho e soja - As culturas mais representativas - milho e soja - somam juntas 83% da safra nacional, pela produção de 131,605 milhões de toneladas. O milho tem perspectiva de crescimento de 4,9%, considerando apenas a participação da Primeira Safra, uma vez que a Segunda Safra só será definida a partir de janeiro.

 

Área plantada - A área plantada deve ficar em torno de 50,447 milhões de hectares, 528,2 mil hectares a mais que na safra anterior, o que representa um crescimento de 1,1%. O aumento está relacionado ao milho Primeira Safra e à soja, com crescimento de 10,8% e 0,7%, respectivamente.

 

Paraná - No caso do milho, o maior aumento ocorreu no Paraná (145,2 mil hectares), seguido por Rio Grande do Sul (161,7 mil ha) e Goiás (148 mil ha). As justificativas para esse comportamento são os bons preços do produto no mercado, a rotação de culturas e a reconquista da área cultivada anteriormente.

 

Mato Grosso - Já para a soja, o maior crescimento de área efetiva deve ficar com o Mato Grosso, com um aumento de 371,1 mil hectares, seguido do Rio Grande do Sul, com 80,1 mil hectares. No Paraná, foi registrada queda de área da oleaginosa em 472,4 mil hectares. A cultura foi substituída, basicamente, pelo milho. Outra região que teve destaque na área foi a do Matopiba  - Maranhão (48,2 mil ha), Tocantins (18,2 mil ha), Piauí (55,2 mil ha) e Bahia (66,8 mil ha).

 

Arroz - Por outro lado, houve redução de área para o arroz, que deve perder 251,8 mil hectares em relação ao cultivo anterior, quando chegou a 2,820 milhões de hectares. A queda mais acentuada ocorre no Rio Grande do Sul, que deixa de cultivar 93,7 mil hectares. A produtividade no estado é significativa, chegando a 7 mil kg/ha.

 

Feijão - O feijão Primeira Safra também apresentou redução. Em relação ao cultivo anterior de 1,42 milhão de hectares, houve uma queda de  147,3 mil hectares. O Paraná, maior produtor nacional, deixou de cultivar 93,5 mil hectares em relação à safra anterior, quando semeou 344,1 mil hectares.

 

Regiões - Em relação à região Nordeste, o terceiro levantamento considerou apenas o oeste da Bahia, o sul do Maranhão e do Piauí. Já para a região Norte foram considerados somente Tocantins e Rondônia. As demais regiões tiveram mantidas as áreas da safra anterior, uma vez que o plantio só começa em janeiro.

 

Pesquisa - A pesquisa foi realizada por cerca de 60 técnicos, entre os dias 21 e 25 de novembro, após visita a órgãos públicos e privados ligados à produção agrícola em todos os estados produtores. (Mapa, com informações da Conab)

 

IBGE: Em 2012, Instituto prevê safra de grãos 0,6% maior

A décima primeira estimativa da safra nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas indica uma produção da ordem de 159,5 milhões de toneladas, superior em 6,6 % à safra recorde de 2010 (149,6 milhões de toneladas) e -0,1% menor que a estimativa de outubro. A área a ser colhida em 2011, de 48,6 milhões de hectares, apresenta acréscimo de 4,6% comparado a 2010, e decréscimo de 5.128 hectares (-0,0%) frente à informação do mês passado. As três principais culturas, que, somadas, representam 90,6% da produção de cereais, leguminosas e oleaginosas, o arroz, o milho e a soja, respondem por 82,3% da área a ser colhida registrando, em relação ao ano anterior, variações de 1,7%, 3,4% e 3,3%, respectivamente. No que se refere à produção, o arroz, o milho e a soja mostram, nessa ordem, acréscimos de 19,0%, 0,3% e 9,2%.

 

2012 - O IBGE também realizou, em novembro, o segundo prognóstico de área e produção para a safra de 2012. A produção de cereais, leguminosas e oleaginosas para 2012 é estimada em 160,5 milhões de toneladas, 0,6% superior à de 2011. A área a ser colhida (50,0 milhões de hectares) cresce 2,8%.

 

Regiões - Entre as grandes regiões, o volume da produção 2011 apresenta a seguinte distribuição: região Sul, 67,1 milhões de toneladas; Centro-Oeste, 56,0 milhões de toneladas; Sudeste, 17,4 milhões de toneladas; Nordeste, 14,6 milhões de toneladas; e Norte, 4,3 milhões de toneladas. Na comparação com 2010, houve incrementos em todas as regiões: Norte, 7,9%; Nordeste, 24,3%; Sudeste, 1,9%; Sul, 4,6%; e Centro-Oeste, 6,7%. O Paraná lidera a produção nacional de grãos, com uma participação de 19,8%, seguido pelo Mato Grosso, com 19,6%, e o Rio Grande do Sul, com 18,3%:

 

Pesquisa completa - A publicação completa da pesquisa pode ser acessada na página

http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/indicadores/agropecuaria/lspa/default.shtm. (IBGE)

 

SOJA: Ferrugem surge em lavouras do PR e GO

O primeiro foco de ferrugem asiática confirmado nesta safra, em área comercial, foi registrado em lavoura de soja de Cristalina, em Goiás (Centro-Oeste). A informação é da Embrapa Soja, que coordena do consórcio nacional antiferrugem. O Paraná, por sua vez, registrou o primeiro foco em soja voluntária, em Nova Aurora (Oeste).

 

Preocupação - Apesar de a ferrugem ter surgido em plantas que nasceram de grãos que germinaram espontaneamente (sem ter sido plantados), a presença do fungo causador da ferrugem no Paraná preocupa os produtores e exige reforço na vigilância das lavouras. O agrônomo da Cooperativa Coopacol Fernando Fávero relatou que as plantas atacadas estavam na fase de enchimento de grãos (R5). Ele recomenda atenção redobrada, uma vez que as primeiras lavouras semeadas na região já floresceram. O florescimento favorece a ferrugem.

 

Monitoramento - Para a pesquisadora Cláudia Godoy, da Embrapa Soja, os produtores precisam intensificar o monitoramento das lavouras para realizar o controle da ferrugem no momento adequado. “A floração da lavoura é uma época em que as linhas de soja se fecham e fica mais favorável para que a infecção se inicie nas folhas de baixo das plantas, em função do sombreamento e da maior umidade”, explica. (Gazeta do Povo)

 

AGRICULTURA: Ministério anuncia contrato de gestão da Conab

O Ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Mendes Ribeiro Filho, apresentou nesta quarta-feira (07/12), em Brasília, o contrato de gestão a ser firmado até o fim do ano com a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), em 2012. O documento define relações e responsabilidades entre o Ministério e a estatal, estabelecendo objetivos, metas e indicadores de desempenho a serem alcançados e um plano de gestão para a Companhia.

 

Modernização administrativa - Mendes Ribeiro Filho ressaltou a importância da modernização administrativa como forma de alcançar resultados concretos no serviço público. “É uma exigência da presidenta Dilma Rousseff fazer da Conab um órgão competente, capaz de gerir a política agrícola do Ministério e ser parte ativa no aumento da produtividade brasileira”, afirmou.

 

Ajustes estruturais e de gestão - O ministro destacou que o corpo de funcionários da estatal será fundamental na implementação dos ajustes estruturais e de gestão seguidos daqui para frente. Serão adotados os mais modernos modelos de gestão, governança e controle praticados no mercado, com foco em resultados comerciais consistentes. “A companhia exerce um papel fundamental para as políticas públicas sociais, de abastecimento, de garantia de preço mínimo”, disse. Mendes Ribeiro Filho lembrou também que a Conab dispõe de uma rede de armazenagem que complementa a atuação do setor privado.

 

Novo diretor financeiro - Entre as medidas administrativas para garantir maior eficiência na gestão da Conab, está a posse do novo diretor financeiro da Conab, João Carlos Bona Garcia. O novo diretor fará uma revisão dos procedimentos de planejamento e execução orçamentária. Bona Garcia também vai estruturar uma unidade de Controladoria que acompanhará as metas de resultado financeiro e proporá preços e tarifas pretendidas para a Empresa, tanto na operacionalização das políticas públicas, como na armazenagem de produtos em geral.

 

Recursos orçamentários e financeiros - Pelo contrato de gestão, o Ministério da Agricultura disponibilizará recursos orçamentários e financeiros à Conab, respeitando o Plano Plurianual e da Lei Orçamentária Anual do Poder Executivo. Um Comitê de Acompanhamento e Avaliação do Plano de Trabalho fará a revisão do plano de trabalho anualmente ou sempre que for necessária a alteração dos objetivos estabelecidos.

 

Novo diretor da Conab - O advogado João Carlos Bona Garcia é o novo diretor financeiro da Conab. Gaúcho, Bona Garcia é juiz aposentado do Tribunal de Justiça Militar do Rio Grande do Sul. No governo Antônio Brito (PMDB/RS), chefiou a Casa Civil do estado. 

 

O senhor está chegando agora para assumir o cargo de diretor financeiro da Conab. Quais são as suas impressões sobre a Companhia?

Achei o ambiente bastante acolhedor, não poderia ser diferente. A companhia exerce e vai exercer sempre um trabalho que é significativo para o país na área agrícola. Você sabe que as commodities são a grande riqueza do futuro e Conab entra nessa questão de forma bastante forte. É uma companhia que já nasceu adulta, vem da união de outras empresas e tem os seus problemas estruturais. Sinto que os funcionários ainda estão muito ligados ao passado dessas empresas.

 

Como o senhor pretende direcionar o seu trabalho na companhia?

Hoje, para você fazer qualquer trabalho em função de contrato de gestão, de um plano estratégico a médio e a longo prazo, terá que levar em conta a reformulação e a readaptação dos próprios funcionários. Para isso, precisamos oxigenar o quadro de funcionários urgentemente. Precisamos de mais pessoas, mais profissionais. A experiência é algo bastante positivo e também será valorizada.

 

E as perspectivas a curto, médio e longo prazos, quais são?

Pretendo estabelecer, o mais breve possível, o nosso contrato de gestão, vamos buscar cumprir metas. A curto prazo, vai ser arrumar a casa, criar uma agenda que seja positiva para esse momento. O Brasil está despontando como um dos países promissores, pois nós temos algo que os outros não têm, que é a elasticidade agrícola. Nosso país tem capacidade de produzir alimentos para nós e para o mundo. E aí vem o trabalho e a importância da Conab. Então, dentro desse traçado e dessas metas, nós temos que ter os nossos objetivos, um deles, sem dúvida alguma, é com relação à oxigenação do quadro de pessoal.

 

Então, podemos afirmar que a Conab pretende investir em pessoal?

Sim, a companhia pretende investir nas pessoas que lá trabalham. E isso só tem uma maneira de ser feita, por meio de novas contratações, de concursos públicos. Ela tem que ter o seu quadro ativo e muito bem capacitado. É preciso agir agora, não pensando em colher grandes frutos rapidamente, mas com um trabalho planejado, que vá fazer com que a companhia cumpra a sua função dentro do Ministério da Agricultura.

 

Qual a sua visão da eficiência dos mecanismos de leilão?

Funcionam bem, mas precisamos aprimorar. Para isso, também pretendemos fazer um trabalho profundo nesses mecanismos. Um trabalho de lupa, ir atrás de qualquer indício que possa ter de fragilidade e irregularidade. Temos que fiscalizar os leilões, as compras e os preços mínimos. A única maneira de fazer isso funcionar é com uma administração incisiva, cobrando metas e resultados.

 

Qual a importância da companhia para a agricultura brasileira?

A importância da companhia é indescritível e imensa. É o único órgão capaz de regular os estoques, de comprar, de pagar preços mínimos. É a companhia que tem preocupação com o armazenamento e transporte dos nossos grãos, se preocupa com tudo que faz o agronegócio funcionar bem. Além dos importantes programas sociais que promove e articula, fundamentais para o equilíbrio das suas ações governamentais. (Mapa)      

 

ITR: Projeto esclarece regra de isenção de impostos para agricultor

A isenção do Imposto sobre a Propriedade Territorial Rural (ITR) nos casos em que haja perda de safra ou pastagem por causa de calamidade pública poderá ser calculada a partir do momento em que o produtor rural ficar sem condições de obter resultados da terra. A medida está prevista em projeto aprovado na quarta-feria (06/12) pela Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) e é defendida pelo senador Sérgio Souza (PMDB/PR). A proposta (PLS 72/10) foi aprovada em decisão terminativa (sem necessidade de passar pelo Plenário) e agora vai para a Câmara.

 

Emenda - Em outubro, Sérgio Souza (PMDB/PR) apresentou emenda à Medida Provisória nº 547/2011 para garantir a reconstrução e recuperação dos solos e dos investimentos produtivos realizados em propriedades de agricultura familiar e que foram afetados pelas chuvas. O senador paranaense tem apoiado no Congresso Nacional a isenção de impostos e criação de incentivos para os agricultores que são prejudicados com as calamidades. No caso da MP 547, ela cria um cadastro nacional de municípios com áreas propícias à ocorrência de deslizamentos de grande impacto. O parlamentar pretende minimizar os impactos causados pelas perdas materiais de milhares de produtores rurais que garantem a agricultura familiar do país.

 

Consolidação - O texto do projeto que isenta o ITR consolida o projeto original de Antonio Carlos Valadares (PSB-SE), com aperfeiçoamentos sugeridos pela CAE e pela Comissão de Agricultura e Reforma Agrária (CRA). Segundo Valadares, a legislação que trata do ITR comporta sérias dúvidas sobre o momento em que o produtor pode se valer da isenção. O relator na CAE foi o senador Armando Monteiro (PTB-PE). (Assessoria de Imprensa do senador Sérgio Souza)

 

ALEP: Agência de Desenvolvimento e estadualização de rodovias são aprovadas

O projeto de lei nº 821/11, de autoria do Poder Executivo, que cria a Agência Paraná de Desenvolvimento (APD), passou em terceira discussão na sessão ordinária desta quarta-feira (07/12), na Assembleia Legislativa do Paraná (Alep). Também foi aprovada, em segunda discussão, a proposição de iniciativa do Governo de nº 901/11, autorizando a estadualização de rodovias estaduais.

 

Emendas - O projeto instituindo a APD recebeu sete emendas da bancada do PT durante sua tramitação; porém, teve apenas duas delas referendadas pelo Plenário. Uma, a emenda nº 6, altera o artigo 13 da proposta que passa a vigorar com a seguinte redação: “Em caso de extinção da APD, a integralidade do seu patrimônio será revertida ao estado do Paraná”. Passou também a emenda nº 7, que inclui o artigo 15 no texto legal, estabelecendo que “a APD enviará à Assembleia Legislativa, relatório semestral de suas atividades e exercício fiscal e/ou financeiro”. Assim, antes de ser encaminhada para sanção (ou veto) do Governo, a matéria precisa ainda ser apreciada em redação final.

 

Investimentos – De acordo com o Governo do Estado, o objetivo da Agência Paraná de Desenvolvimento – pessoa jurídica sem fins lucrativos – será fomentar o desenvolvimento econômico e social, por meio do apoio às empresas já instaladas no estado, para que se tornem mais competitivas. Na mesma linha, o órgão atuará na atração de novos investimentos que impliquem na criação de postos de trabalho e aumento da renda dos paranaenses.

 

Potencialidades - A Agência de Desenvolvimento – garante o Executivo – vai identificar e mapear as potencialidades e necessidades do Estado e apresentar as oportunidades para que empresas nacionais e estrangeiras possam investir no Paraná. O texto do projeto de lei informa que a instituição “atuará na consolidação, modernização e expansão das atividades econômicas do Paraná, de modo a induzir e atrair investimentos para ampliar o desenvolvimento sustentável no Estado”.

 

Rodovias – Já o projeto de lei de nº 901/11 estadualiza trechos rodoviários nas seguintes regiões do Estado: Arapuã, Boa Ventura de São Roque, Campina do Simão, Coronel Domingos Soares, Ampére e Pinhal de São Bento. O Governo afirma que “a estadualização desses trechos rodoviários contribuirá no desenvolvimento socioeconômico desses municípios, melhorando o acesso de suas populações aos serviços públicos ofertados nos grandes centros urbanos”. Como esse projeto não recebeu emendas no curso de sua tramitação, o líder do Governo, deputado Ademar Traiano (PSDB) solicitou dispensa de votação em redação final. Assim, a proposição segue para sanção governamental. (Assessoria de Imprensa Alep)

 

INDÚSTRIA: Produção cresce 1% no Paraná em outubro

A produção da indústria paranaense cresceu 1% em outubro em relação ao mês anterior, 1,4 ponto percentual acima da média nacional, que foi de 0,6% negativo. De janeiro a outubro, o crescimento foi de 5,2%, o terceiro melhor desempenho entre os estados pesquisados. Os dados foram divulgados nesta quarta-feira (07/12), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Segundo o IBGE, na comparação com o mesmo mês do ano passado, o avanço da indústria do Paraná foi de 13,4% e, no acumulado dos 12 meses, o crescimento é de 5,5%.

 

Retração - O IBGE registrou retração em sete dos 14 estados pesquisados. “Temos a expectativa de que o bom ambiente para negócios estabelecido com o governo Beto Richa, somado às políticas que vêm sendo desenvolvidas para indústrias de diferentes portes e setores, consolidem ainda mais a economia e o parque industrial paranaense”, disse o secretário da Indústria, Comércio e Assuntos do Mercosul, Ricardo Barros.

 

Acumulado – O crescimento de 5,2% no ano foi puxado principalmente pelos setores automotivo e de refino de petróleo. Impulsionada pela produção de caminhões, a indústria de veículos automotores registrou crescimento de 26%. Refino de petróleo e produção de álcool (13,5%); máquinas, aparelhos e materiais elétricos (17,4%); produtos de metal (10%) e madeira (8%) também tiveram alta de janeiro a outubro. Na outra ponta, foram registradas quedas nos setores de edição e impressão (-14,5%) e de máquinas e equipamentos (-5,3%). (AEN)
 

TEMPO: Verão terá chuvas esparsas e clima ameno

O verão chega no dia 22 deste mês, mas o clima mais ameno das últimas semanas na região de Curitiba parece que vai continuar por toda a temporada no Paraná. Segundo institutos meteorológicos, as temperaturas não devem oscilar muito entre dezembro e fevereiro de 2012. Além disso, o fenômeno La Niña, que voltou no fim de novembro, deve ditar o clima dessa estação.

 

Média - O Instituto Tecnológico Simepar ainda não divulgou as previsões climáticas para o verão, mas afirma que as temperaturas devem ficar dentro da média, sendo um pouco mais amenas pela manhã. A tendência com a La Niña, segundo o Simepar, é que diminuam um pouco as chuvas.

 

Chuvas - Segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), a Região Sul do país tem 75% de probabilidade de ter chuvas entre as categorias normal e abaixo do normal, com total de precipitação de aproximadamente 450 mm no Paraná. O meteorologista Felipe Farias, do Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC), diz que as precipitações no período de dezembro a fevereiro devem ficar entre 400 e 700 mm, em média, no estado.

 

Primeira quinzena - De acordo com o Instituto Climatempo, a primeira quinzena do mês de dezembro na Região Sul do país deve ter chuvas irregulares e calor na maioria das cidades, por causa do La Niña. Com o fenômeno, ocorrem mais eventos de Zona de Convergência do Atlântico Sul (ZCAS), maior causador de chuva forte nos longos períodos de verão.

 

Momentos diferentes - O Instituto Climatempo também prevê dois momentos diferentes para a temporada de verão. Em janeiro, o calor deve dar a lugar a chuvas um pouco acima da média e Curitiba fica sujeita a temporais. No mês seguinte, o Sul do estado deve ter um acumulado total de chuvas abaixo do normal e o Leste deve receber a passagem de uma frente fria. (Gazeta do Povo)

   
"Cooperativismo, caminho para a Paz e Democracia"

Av. Cândido de Abreu, Nº 501 - Centro Cívico - CEP: 80530-000 Curitiba PR
Telefone: (41) 3200-1100 Fax: (41) 3200-1199