Paraná Cooperativo

Informe Diário nº 2731, Sexta-feira, 02 de Dezembro de 2011
Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR - Apoio: Getec

ENCONTRO ESTADUAL I: Cooperativas do PR crescem 14% em receitas

O cooperativismo paranaense deve encerrar 2011 atingindo R$ 30 bilhões em movimentação financeira. Segundo o presidente do Sistema Ocepar, João Paulo Koslovski, o ano está sendo bastante positivo para o setor. “Estamos crescendo 14% em relação a 2010, enquanto há uma previsão de aumento de 4% para o PIB brasileiro neste ano”, ressaltou no Encontro Estadual de Cooperativistas Paranaenses, na manhã desta sexta-feira (02/12), em Curitiba. Koslovski informou ainda que as exportações das cooperativas do Paraná devem superar os US$ 2,2 bilhões em 2011, com mais de 50 produtos sendo comercializados em mais de 100 países. “Em relação aos investimentos, estão sendo aplicados, somente neste ano, mais de R$ 1,1bilhão em projetos de infraestrutura, inovação em tecnologia e agroindustrialização. Estamos superando os 42% de participação no total do parque agroindustrial do Estado”, frisou.

 

Benefícios - De acordo com ele, mais de 2,5 milhões de paranaenses dependem das ações do cooperativismo, que ainda é responsável pela geração de 1,5 milhão de postos de trabalho. O Sistema Ocepar congrega 240 cooperativas que, juntas, possuem 680 mil cooperados. “Cerca de R$ 1,25 bilhão em impostos são recolhidos pelo setor aos governos municipal, estadual e nacional, evidenciando que o cooperativismo tem realizado um trabalho fantástico na viabilização dos negócios de seus cooperados”, sublinhou.

 

Intercooperação – Koslovski também ressaltou o avanço nas ações de intercooperação entre as cooperativas, que estão incrementando e potencializando as atividades do setor, citando como exemplos a união da Batavo com a Castrolanda, no segmento lácteo, e da Coagru com a Copacol, em frangos, entre outros. Também falou sobre o aumento das parcerias entre cooperativas de ramos diferentes como saúde, crédito e transporte com o ramo agropecuário. Evidenciou ainda a expansão do número de cooperados do ramo crédito – cerca de 500 mil – e a participação crescente na concessão de financiamento para o setor produtivo. “Isso é extremamente positivo para a democratização de acesso ao crédito para milhares de pessoas”, disse. “Em 2011, as cooperativas de crédito estão participando com cerca de 20% da concessão de custeio aos agricultores do Paraná”, acrescentou. Já o ramo saúde responde pelo atendimento de 1,5 milhão de usuários no Estado. 

 

Formação -  Ele também frisou que o Sistema Ocepar vem investindo no processo de formação e treinamento do público ligado ao cooperativismo. O ano deve ser encerrado com mais de 4300 eventos realizados pelas cooperativas com apoio do Sescoop/PR, beneficiando 127 mil pessoas. Além disso, há 35 cursos de especialização em andamento, entre MBA’s e pós graduações.

 

Desafios -  Em seu pronunciamento no Encontro Estadual, Koslovski disse que, apesar do crescimento sólido, o cooperativismo do Paraná ainda enfrenta alguns desafios que devem ser superados nos próximo anos, importantes para manter o ritmo de expansão do setor, entre eles, maior investimento em infraestrutura. “Até 2015, o Paraná precisa de mais de R$ 7 bilhões para promover melhorias em todos os modais de transporte e, assim, dar sustentação ao crescimento dos seus negócios”, destacou. Disse que há uma grande preocupação com a carga tributária e com o custo Brasil e que o cooperativismo necessita de políticas adequadas que se ajustem às peculiaridades do setor. Também destacou a importância da aprovação do novo Código Florestal, cujo projeto está em tramitação no Senado, e de avanços em políticas públicas voltadas a garantir renda ao produtor. Para tanto, solicitou o apoio das autoridades e parlamentares presentes ao evento para buscar as soluções às questões por ele apresentadas.

 

Ano Internacional do cooperativismo – O presidente da Ocepar lembrou ainda que 2012 foi declarado pela Organização das Nações Unidas (ONU) como o Ano Internacional das Cooperativas, com o objetivo de aumentar o interesse público sobre o cooperativismo, mostrando sua contribuição para o desenvolvimento socioeconômico. “Também, para encorajar governos a estabelecer políticas, leis e regulamentações condizentes e propícias para a formação, o desenvolvimento do setor”, ressaltou. E, remetendo às palavras do secretário geral da ONU, Ban Ki-moon, acrescentou: “Cooperativas existem para mostrar à comunidade internacional que é possível buscar viabilidade econômica com responsabilidade social”.

 

Livro – Ao final do pronunciamento, Koslovski entregou ao governador Beto Richa e ao ministro da Agricultura, Mendes Ribeiro, o livro que traz a história dos 40 anos da Ocepar, completados neste ano. Escrita pelo jornalista Eloy Setti, a publicação traz detalhes sobre os principais fatos da trajetória de quatro décadas da organização, criada em abril de 1971, para defender os interesses do cooperativismo paranaense.

 

Clique aqui e confira na íntegra o discurso do presidente da Ocepar, João Paulo Koslovski

 

ENCONTRO ESTADUAL II: Mais de 1800 cooperativistas participaram do evento, em Curitiba

Ainda era bem cedo quando começaram a chegar as primeiras caravanas de cooperativistas vindas de todas as regiões do Paraná para participar do Encontro Estadual promovido pelo Sistema Ocepar. O evento reuniu mais de 1800 participantes, entre dirigentes, cooperados, familiares, colaboradores e convidados. Iniciado às 8h30, no Teatro Positivo, em Curitiba, também foi prestigiado por autoridades, lideranças políticas e representantes de entidades parcerias.

 

Evento tradicional - Esta foi a 11ª edição do encontro, realizado anualmente com a finalidade de promover a interação entre as cooperativas do Paraná, apresentar as ações realizadas pelo Sistema Ocepar durante o ano, comemorar as conquistas obtidas pelo cooperativismo, alinhavar as principais reivindicações do setor para o próximo ano e demonstrar à sociedade a sua capacidade de mobilização, difundindo a cultura cooperativista. As atividades se estenderam até às 16h30, com pronunciamentos, homenagens, palestras e atividades culturais.

 

Autoridades e lideranças - Entre as autoridades e lideranças presentes ao evento estiveram o ministro da Agricultura, Mendes Ribeiro; o governador do Paraná, Beto Richa; o prefeito de Curitiba, Luciano Ducci; o secretário executivo do Mapa, José Carlos Vaz; o superintendente do Mapa no Paraná, Daniel Dias Filho; os secretários estaduais Jonel Iurk (Meio Ambiente) e Norberto Ortigara (Agricultura). Também convidada a participar, a ministra chefes da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, não pode estar presente devido a compromissos de governo.  

 

Parlamentares – Entre os parlamentares, participaram o senador Sergio Souza; deputados federais Osmar Serraglio, representando a Frencoop, Reinhold Stephanes, Luiz Setim, Abelardo Lupion, Alex Canziani e Eduardo Sciarra; deputados estaduais Elio Rusch, Augustinho Zucchi, Rasca Rodrigues e Pedro Lupion.

 

Entidades – Houve ainda a presença do presidente da Fecomércio, Darci Piana; do presidente do BRDE, Renato Mello de Viana; do presidente da Claspar, Carlos Alberto Scotti; do assessor de gabinete da Emater, José Geraldo Alves; do presidente da Junta Comercial, Ardisson Naim Akel; do vice-presidente da Associação Comercial do Paraná, Odoni Fortes Martins; do presidente do Sindicato dos Representantes Comerciais do Paraná, Paulo Cesar Nauiack; do diretor financeiro da Faep, João Luiz Rodrigues Biscaia, representando o presidente Ágide Meneguete; do superintendente do Senar-PR, Ronei Volpi; do diretor Regional do Sesc/PR, José Dimas Fonseca; do diretor Administrativo Financeiro do Sesc/PR, Emerson Sextos e Carla Alessandra Santos, também do Sesc/PR; do presidente da Federação das Associações de Micro e Pequenas Empresas do Paraná, Jonas Bertão; do chefe das relações institucionais da vice-presidência da República, Rodrigo Dias dos Santos; do gerente de mercados do Banco do Brasil, Pablo Ricoldi; do delegado federal do Ministério do Desenvolvimento Agrário no Paraná, Reny Antonio Denardi; do superintendente estadual da Conab, Lafaete Jacomel; do chefe do IBGE no Paraná, Sinval Dias dos Santos; do presidente do Iapar, Florindo Dalberto.

 

Cooperativismo – Também prestigiaram o evento o superintendente da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), Renato Nobile; a gerente de Comunicação do Sescoop/PR, Inês Maria de Lima Rosa; o presidente da OCB/RJ, Marcos Diaz; o gerente de autogestão do Sescoop/SP, Luis Antônio Shimidt; o presidente da OCB/DF, Roberto Marazi e o superintendente da OCB/DF, Reny Gorga Neto. 

 

ENCONTRO ESTADUAL III: Governador Beto Richa destaca crescimento do cooperativismo

Ao participar do Encontro Estadual, o governador Beto Richa ressaltou o crescimento do cooperativismo paranaense e reafirmou a disposição do Estado em continuar atuando em parceria com o setor. “Este é um encontro dos mais importantes do nosso Estado, visto a pujança do cooperativismo paranaense. É impressionante observamos os números obtidos pelas cooperativas do Paraná, o crescimento vertiginoso obtido nos últimos anos e na última década. Por isso, é um prazer estar prestigiando esse evento”, disse aos jornalistas durante entrevista coletiva.

 

Efeito multiplicador - Em seu pronunciamento, Richa destacou que, nos últimos dez anos, o faturamento do setor saltou de R$ 8 milhões em 2001 para R$ 30 bilhões neste ano. Ele lembrou ainda que o número de cooperativas passou de 193 para 240 e o de cooperados de 250 mil para cerca de 680 mil no mesmo período. Também falou sobre as exportações das cooperativas paranaenses, que passaram de um pouco mais de US$ 600 milhões há dez anos para US$ 2,2 bilhões em 2011. “Esses números invejáveis, junto com o trabalho de cada um de vocês, fortalecem a nossa convicção de que o efeito multiplicador das cooperativas em inúmeras cadeias produtivas levará o circulo virtuoso da industrialização a todas as regiões do nosso estado. Isso porque as receitas das cooperativas são reinvestidas nas regiões em que elas atuam, nas cidades onde moram os seus cooperados e parte do seu faturamento é recolhido em impostos recolhidos pelo Estado e União, que são aplicados em várias áreas como infraestrutura, logística, entre outras.”

 

Compromisso – “Quero reafirmar o nosso compromisso com a Ocepar, com as cooperativa, com os cooperados e todos os trabalhadores do setor. Em nome dos paranaenses, parabenizo todos vocês por mais um ano bem sucedido e também pelos excelentes resultados que fortalecem a nossa economia, orgulham o Paraná e fazem com que o Brasil nos admire através dos bons exemplos e da referência que o cooperativismo é hoje para o País e para o resto do mundo. Parabéns a todos vocês”, finalizou Beto Richa. 

 

ENCONTRO ESTADUAL IV: 'Eu acredito no cooperativismo. Eu acredito na arte de somar', diz ministro

O ministro da Agricultura, Mendes Ribeiro, disse, na manhã desta sexta-feira (02/12), durante o Encontro Estadual de Cooperativistas Paranaenses, em Curitiba, que uma de suas metas frente ao ministério é estabelecer uma política de longo prazo que promova o aumento de renda do produtor brasileiro. “O produtor precisa se sentir protegido. Eu vou perseguir uma política agrícola com garantia de renda ao agricultor. Temos que viabilizar uma política que garanta preço mínimo e é isso que estamos construindo”. Em sua avaliação, as cooperativas desempenham um importante papel no acesso aos recursos disponibilizados pelo governo federal para o setor agropecuário.  

 

Fundamental - “O cooperativismo é fundamental para que possamos agregar valor e fazer com que o dinheiro possa chegar na ponta. Nós tivemos um plano safra de mais de R$ 100 bilhões e repassamos apenas R$ 36 bilhões. Temos que fazer chegar mais ao agricultor. Estamos avançando com o apoio do BNDES, do BRDE e demais os agentes financeiros e isso vai possibilitar que, com a ajuda do cooperativismo, os recursos possam ser mais acessados pelos agricultores”, ressaltou. Ele disse ainda que em 2012 pretende instalar no Mapa uma secretaria especializada para atender as cooperativas. “Quando a gente fortalece o cooperativismo, nós fortalecemos a agricultura”, acrescentou.

 

Plano – Mendes Ribeiro disse que 2011 foi bom para a agricultura e acredita que o ano que vem será melhor ainda. “Nós estamos reformulando administrativamente o Ministério. Vamos tentar interferir na Conab para que ela atue como agente de política agrícola. Vamos trabalhar o conjunto de instrumentos que temos no Mapa para favorecer o agricultor”. “Temos coisas para anunciar no momento certo. Na próxima terça-feira eu recebo um documento da Comissão da Agricultura que vai trazer a realidade em relação a cultura do trigo e vamos agir de forma objetiva”, disse ainda.

 

Código Florestal – De acordo com o ministro, o bom senso prevaleceu nas discussões em torno do novo Código Florestal brasileiro, em tramitação no Senado. “O Código Florestal foi um marco. Ninguém esperava que as coisas iriam acontecer dessa forma.  Os deputados e senadores foram extremamente importantes. Nos não temos um Código deste ou daquele setor. Temos um documento de bom senso. Ele não é fundamentalista. É o Código de quem quer caminhar”, ressaltou.  

 

Diálogo - Mendes Ribeiro defendeu o diálogo como a melhor forma de solucionar os problemas e afirmou que está confiante no futuro. “Eu sou uma pessoa que acredita no amanhã. Juntos, vamos construir um Brasil melhor. Eu acredito no cooperativismo. Eu acredito na arte de somar. Foi uma honra estar nesse evento”, concluiu o ministro.

 

ENCONTRO ESTADUAL V: Troféu Ocepar é entregue aos presidentes da Fecomércio e da Copacol

Os presidentes da Federação do Comércio do Estado do Paraná (Fecomércio), Darci Piana, e da Cooperativa Copacol, Valter Pitol, foram homenageados no Encontro Estadual dos Cooperativistas Paranaenses. Eles receberam o Troféu Ocepar, em reconhecimento aos relevantes serviços prestados ao cooperativismo, entregue pelo presidente da organização, João Paulo Koslovski. O Troféu Ocepar foi criado em julho de 1977, durante solenidade em comemoração ao Dia Internacional do Cooperativismo, pelo então presidente Benjamin Hammerschmidt. Já foi entregue a outras 33 personalidades, entre ex-governadores, ex-ministros, lideranças políticas, empresariais e do cooperativismo.

 

Copacol – “Esta homenagem não é somente minha. É da Copacol, de seus diretores, conselheiros, associados, parceiros e também de minha esposa Rosane”, disse o presidente da Copacol, Valter Pitol, ao receber o Troféu Ocerpar 2011. Segundo ele, a premiação também é um reconhecimento à Copacol pelo que representa no cenário estadual e nacional. “Através de seu crescimento, a Copacol reforça com seus resultados, com os 4.700 associados e 6.600 colaboradores, a importância de oferecer novas oportunidades de diversificação e gerar mais emprego e renda para a população”, afirmou. Ele lembrou que a cooperativa abate 330 mil frangos/dia em Cafelândia. “Estamos quebrando paradigmas, pois nos unimos com a Coagru, criando a Unitá – Cooperativa Central que deve abater 320 mil frangos/dia. Além disso, para agregar maior valor a produção do associado, vamos inaugurar em janeiro de 2012 um dos principais investimentos na área de grãos: a unidade esmagadora de soja, com investimentos de 80 milhões de reais”, disse.

 

Diversificação - De acordo com ele, esse investimento possibilitará a valorização da produção do cooperado diante de melhores condições de comercialização. “O grande desafio da Copacol é assegurar a diversificação ao seu associado para que tenha uma vida digna no campo. O sucesso da cooperativa vem do seu profissionalismo e do seu trabalho em equipe. Construímos riquezas para o Paraná e esse é o nosso maior orgulho”, afirmou.

 

Trajetória - Nascido em Cotiporã (RS), Pitol é formado em Engenharia Agronômica pela Universidade de Passo Fundo/RS. Foi extensionista da Emater/PR de 1973 a 1975 e, em seguida estruturou a divisão de assistência técnica da Copacol, da qual foi vice-presidente de 1980 a 1997. Está na presidência da cooperativa desde 1998. Também é presidente da Cooperativa Central Unitá. Sua vida profissional sempre esteve ligada ao cooperativismo paranaense, que o elegeu presidente da Central Cotriguaçu e diretor da Central Frimesa. Foi diretor da Ocepar no período de 2003 a 2011 e conselheiro administrativo do Sescoop/PR na gestão 2007/2011. Recebeu diversas honrarias e homenagens, entre as quais, o Título de Cidadão Honorário do Estado do Paraná, em 2009.

 

Parceria –“Me sinto orgulhoso em receber essa homenagem. Eu já recebi várias ao longo de minha vida mas esta me toca o coração porque vem de pessoas que trabalham com grande seriedade. Me orgulho de ser parceiro desse sistema. Eu defendo o cooperativismo em todos os níveis porque acredito na força do setor”, disse o presidente da Fecomércio, Darci Piana. De acordo com ele, o comércio e a agricultura são dois setores que se complementam. “Eu sempre digo que, quando a agricultura vai bem, o comércio vai bem. Somos 1,8 milhão de pessoas e integramos 440 mil empresas do comércio, serviço e turismo. É um grande contingente que também depende dos resultados obtidos pela agricultura por isso, institucionalmente mantemos um grande trabalho em conjunto e não poderia ser diferente”, frisou Piana.

 

Carreira - Natural de Carazinho (RS), Piana é paranaense de coração, pois foi no Paraná que fincou raízes, estudando, trabalhando e contituindo sua família. Formou-se em Economia, pela Universidade Católica do Paraná, e em Contabilidade, pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Foi superintendente regional da CFP - Comissão de Financiamento à Produção no Paraná, presidente do Sincopeças, fundador e primeiro presidente da Sincocred – Cooperativa de Crédito do Sincopeças/PR, presidente do Conselho do Paranacidade e presidente do Conselho Deliberativo do Sebrae/PR. Atualmente, além de presidente do Sistema Fecomércio Sesc Senac Paraná, é vice-presidente da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo. Atua como coordenador do G8, que é constituído pelas entidades de representação que atuam no Paraná. Recebeu mais de 30 homenagens e títulos, entre eles, Título de Cidadão Honorário do Estado do Paraná; Cidadão Honorário de Curitiba e mais onze outras cidades paranaenses e a Medalha Pacificador da ONU.

 

ENCONTRO ESTADUAL VI: BRDE é homenageado com o Troféu 'Cooperativas Orgulho do Paraná'

No Encontro Estadual, o Sistema Ocepar também prestou homenagem ao Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) por sua contribuição ao desenvolvimento do cooperativismo paranaense. A instituição foi representada pelo presidente Renato de Mello Viana, que recebeu o Troféu Cooperativas Orgulho do Paraná das mãos do presidente da Ocepar, João Paulo Koslovski. O Troféu “Cooperativas Orgulho do Paraná” foi instituído em 2008 para homenagear e reconhecer pessoas ou instituições que fazem a diferença e ajudam a fortalecer o setor.

 

Parceria - Em seu discurso, Mello Viana destacou a importância do espírito cooperativista e lembrou que a parceria entre o BRDE e as cooperativas é antiga e vem se fortalecendo a cada ano. “Desde que foi criado, há 60 anos, o banco vem caminhando lado a lado com o setor cooperativista”, disse. Ele lembrou ainda que o BRDE é o maior repassador de recursos para o setor. “Somente no ano passado, dos R$ 1,850 bilhão repassados para os três estados do Sul, R$ 867 milhões vieram para o Paraná. E desse montante, mais de R$ 400 milhões foram repassadas às cooperativas. Temos atualmente, 18 cooperativas agropecuárias com financiamentos diretos e robustos do BRDE”, destacou. “Por este motivo, nessa manhã, em que estamos comemorando a socialização do lucro do sistema cooperativo, queremos agradecer a todos os cooperados que, anonimamente, ajudam a construir esse País, produzindo alimentos que são consumidos não apenas no mercado interno, como no mundo todo. Também queremos agradecer a manifestação de apreço e carinho traduzida por este troféu que, com certeza, ocupará um lugar de destaque em nossa sede, no Paraná”, concluiu.

 

Presenças - A homenagem ao banco também foi prestigiada por outros representantes da instituição, entre eles, o diretor de Acompanhamento e Recuperação de Créditos, Nivaldo Assis Pagliari; o diretor Financeiro, Jorge Gomes Rosa Filho; o superintendente da agência do BRDE em Curitiba, Carlos Olson; o gerente de Operações, Paulo Cesar Starke Junior; o gerente de Operações Adjunto, Tiago Marquardt Pesch; a gerente de Operações Adjunta, Carmem Rodrigues Truite; o gerente de Planejamento, Thiago Tosatto; o gerente de Acompanhamento de Recuperação de Créditos, Werner Tschoecke; os jornalistas José Francisco dos Santos Alves  e Francisco José Zerbeto de Assis, da Assessoria de Comunicação; o superintendente de Recuperação de Créditos, Paulo da Silva Reis e o  superintendente de Créditos, Francisco Pinho Fernandes. 

 

ENCONTRO ESTADUAL VII: Produção maior e bons preços alavancaram expansão do setor em 2011

Lideranças e dirigentes cooperativistas presentes no Encontro Estadual de Cooperativistas Paranaenses avaliaram o ano de 2011 e falaram sobre as expectativas para 2012. “As cooperativas, pelas suas caraterísticas pecualiares, enfrentaram de forma diferente das empresas comerciais as consequências da crise instalada no mundo entre 2008 e 2009, da qual saímos em 2010. Isso trouxe reflexos para todo o País e eu avalio que o cooperativismo atingiu desenvolvimento positivo tanto na área rural como urbana. Para nós, é uma da alegria estar aqui, comemorando o fechamento do ano com a família cooperativista paranaense, que é uma referência nacional”, disse Renato Nóbile, superintendente da OCB que, na ocasião, representou o presidente da organização nacional, Márcio Lopes. De acordo com ele, 2012 será especial para o setor já que a ONU estabeleceu como sendo o Ano Internacional das Cooperativas. “Será uma grande oportunidade e um desafio muito grande. Temos consciência de que o cooperativismo ainda não é tão conhecido pela maioria da população e vamos aproveitar para divulgá-lo amplamente”, disse. 

 

Crescimento - Para os presidentes das cooperativas do Paraná, o aumento na produção de grãos e bons preços das commodities agrícolas são alguns dos fatores para o bom desempenho do setor cooperativista em 2011. “Alcançamos 5,5 milhões de toneladas de grãos, sendo que o nosso faturamento deve chegar a R$ 5,6 bilhões, montante 18% a 20% maior em relação ao ano passado, e ampliamos nosso quadro social para 24.300 cooperados e 5.400 funcionários”, comemora Aroldo Galassini, presidente da Coamo, cooperativa com sede em Campo Mourão e unidades em diversos municípios do Paraná e em outros estados. Um desempenho que favorece, principalmente, os cooperados da Coamo, já que as sobras dos resultados financeiras são repassadas ao quadro social. “Vai ser um ano de grande devolução de sobras” revela o dirigente. Segundo ele, vários fatores alavancaram o bom desempenho da Coamo, a exemplo do setor de alimentos acabados para supermercados, que já representam 10% do faturamento global da cooperativa, e também as exportações que devem atingir a cifra recorde de US$ 1,100 bilhão em 2011. “Praticamente já representamos quase 50% de toda a exportação das cooperativas do Paraná, portanto, o ano de 2011 foi extremamente positivo para a Coamo”, disse. Na avaliação do dirigente, o Encontro Estadual é uma oportunidade de evidenciar o trabalho que o cooperativismo do Paraná vem realizando. “É um dia importante, tanto que trouxemos uma comitiva grande. É um momento de integração e uma oportunidade de aproximar cooperados e autoridades ligadas ao cooperativismo, ao Estado e ao País, e também de fazer contatos e confraternizar”, disse.

 

Poupança - O presidente da Cocamar, Luiz Lourenço, lembra que, por conta do cenário positivo vivido em 2011, o produtor da área de abrangência da cooperativa está capitalizado. “São raras as exceções em que há problemas, portanto, vamos fechar um ano maravilhoso”, destaca. O dirigente comenta que o produtor que buscou aumentar a produtividade e investiu em tecnologia, está muito satisfeito com os resultados do seu trabalho. “Um exemplo é o fato de que, no âmbito da Cocamar, o produtor que está capitalizado possui atualmente 50% de toda a sua safra depositada na Cocamar, sem fixar, ou seja, sem vender. Isto significa que ele tem uma poupança e que está esperando o momento, ou seja, uma oportunidade para investir o seu dinheiro” afirmou.

Destaques - De acordo com o dirigente, a Cocamar irá fechar o ano em crescimento, com um faturamento próximo a R$ 2 bilhões, um incremento de cerca de 25% em relação ao ano anterior. “Vários são os destaques da cooperativa. O varejo, por exemplo, é uma área importante para a cooperativa, pois saímos de R$320 milhões para R$ 560 milhões este ano. E estamos apostando alto para o próximo ano, pois até agora o cenário projetado está com uma perspectiva muito boa. O plantio já foi concretizado e estamos esperando uma safra boa para 2012. Os preços estão cedendo um pouco, mas temos que lembrar que produzimos alimentos, portanto, mesmo que a economia desacelere, haverá uma demanda boa, pois os níveis internacionais de estoques de todos os grãos estão baixos. Portanto, qualquer oscilação de demanda vai trazer algum estresse e melhoria de preço. É nisso que apostando nos próximos quatro ou cinco anos”, afirma.

Confiança - O presidente da Agrária, Jorge Karl, lembra que, apesar das incertezas e mudanças na economia mundial, o Brasil manteve uma linha de crescimento. “Além disso, estamos ancorados, principalmente, em commodities, motivo pelo qual alcançamos bons resultados”, avalia o dirigente. Segundo ele, a Agrária deve atingir o desempenho projetado para este ano. “Isto faz com que a gente fique mais confiante em relação ao próximo ano, fazendo projeções otimistas e, logicamente, tocando em frente os projetos de investimento que já estavam previstos. Isto é uma grande satisfação”, frisa. Na sua avaliação, o cooperativismo paranaense manteve o seu significado e importância em 2011 e, principalmente, obteve o reconhecimento que merece. “E agora, com este grande evento, podemos confraternizar e mostrar tudo o que foi feito de bom ao longo do ano. O Encontro Estadual também é uma oportunidade para troca de ideias, experiências e opiniões”, avalia.

Superação Apesar das diversas dificuldades vivenciadas ao longo do ano, a exemplo do incêndio em seu abatedouro, no mês de maio, e perdas provocadas por geadas nas lavouras do milho safrinha e trigo, o ano foi positivo para a C.Vale, cooperativa sediada em Palotina. “Os volumes de recebimento foram cerca de 3% menores em relação ao ano passado, mas em contrapartida os preços contribuíram muito, tanto que no ano passado, na época da colheita, a saca de milho chegou a R$ 12,60 e este ano ficou em torno de R$ 20,00”, revela o presidente da cooperativa, Alfredo Lang. Segundo ele, a C.Vale deve fechar o ano com um faturamento de R$ 2,7 bilhões, um desempenhado que merece ser comemorado, motivo pelo qual a cooperativa não abriu mão de participar do Encontro Estadual de Cooperativistas. “O evento é um momento único, em que as lideranças cooperativistas se encontram com as demais lideranças empresarias e autoridades políticas. A participação expressiva de cooperados, dirigentes e autoridades é um exemplo da força do setor e da integração do sistema cooperativista. Saiíos daqui mais motivados”, disse.

Ramo saúde - O presidente da Federação Unimed, Orestes Barrozo, revela que para o sistema cooperativo de saúde, em especial as Unimeds, 2011 foi um ano muito bom. “Estou muito contente com o resultado do ano”, afirma. Ele conta que algumas conquistas se consolidaram, muitas das quais focadas na estruturação das cooperativas e também em relação ao processo regulatório que está ocorrendo. “As cooperativas do Paraná conseguiram se estruturar e hoje a maioria delas possui as melhores classificações nos índices de saúde suplementar da Agência Nacional de Saúde (ANS). Todas estão cumprindo com suas obrigações e, mais do que isso, estão ganhando mercado num ritmo maior que a concorrência”, conclui.

 

ENCONTRO ESTADUAL VIII: Presidente da Junta Comercial destaca trabalho da Ocepar

“A Ocepar é uma das entidades mais representativas do setor produtivo do Paraná e do Brasil”, disse na manhã desta sexta-feira (02/12), o presidente da Junta Comercial do Paraná, Ardisson Akel, durante o Encontro Estadual de Cooperativistas Paranaenses. Akel lembrou que conhece bem a Ocepar e o modelo cooperativista, por conta do longo trabalho que ele tem realizado junto às associações comerciais do estado. “Conclui que cooperativismo e associativismo são irmãos gêmeos, digo até que são siameses, de tão próximos que são, pois ambos buscam a união de forças para superar desafios. E tenho acompanhado também o trabalho da Ocepar e percebi que é uma instituição que se renova e investe nos seus quadros, na parte de treinamento e educação corporativa. Isto tem garantido uma evolução constante nos trabalhos da Ocepar e também das cooperativas que a compõem”, frisou Akel, destacando ainda o fato do Paraná ser um exemplo de modelo de cooperativismo bem sucedido. “Temos em nosso estado várias cooperativas que trabalham desde a produção primária, até a transformação, industrialização e comercialização, fazendo ainda um marketing de qualidade. Sou um grande fã do cooperativismo, por este motivo estou aqui, prestigiando esse importante evento”, disse.

 

ENCONTRO ESTADUAL IX: As cooperativas são o carro chefe da agricultura, diz Norberto Ortigara

O Secretário de Agricultura, Norberto Ortigara, destacou durante o Encontro Estadual de Cooperativistas Paranaenses, o papel das cooperativas para o desenvolvimento agropecuário do Paraná. “A parceria com o setor é fundamental, pois as cooperativas são o carro chefe da agricultura e da agroindústria paranaense. Por este motivo, procuramos trabalhar em sintonia, construindo alternativas em conjunto porque assim ganhamos mais velocidade nas ações”, afirmou o secretário, lembrando que as cooperativas representam cerca de 2/3 de toda a riqueza do meio rural e projetam para este ano um resultado econômico de R$ 30 bilhões. “Além da força econômica, as cooperativas congregam, agregam facilitam, capacitam e assistem aos produtores. Tudo isto traz a possiblidade do avanço”, comenta.

 

Balanço positivo – Em relação à agricultura, o secretário disse que o ano de 2011 foi positivo para o setor produtivo. “Foram dois anos consecutivos de bom desempenho, boa safra, boa produtividade e, de maneira geral, de bons preços. Então, foi bom para a agricultura porque permitiu a capitalização e o pagamento de dívidas. Também tivemos avanços importantes, principalmente, na construção de um ambiente favorável para os negócios, o que nos permite aproveitar as oportunidades que o mundo oferece para consolidarmos nossa agricultura e agroindústria como geradores de riquezas e de oportunidades para a família paranaense”, disse.

 

Entendimento - O secretário lembrou ainda que durante o ano foi possível articular um entendimento com as entidades ligadas a agricultura, trabalho que resultou numa agenda de trabalho única. “Isto permite avanços mais consistentes”, afirmou. 

 

ENCONTRO ESTADUAL X: Sou cooperado há mais de 30 anos, revela Luciano Ducci

Ao dar as boas vindas aos participantes do Encontro Estadual de Cooperativistas, o prefeito de Curitiba, Luciano Ducci revelou que conhece bem o modelo cooperativista, pois é cooperado há mais de 30 anos da Unimed.  “Em função disso, estou familiarizado com o sistema cooperativista paranaense que, por sua vez, é referência para o Brasil na geração de riquezas e empregos”, afirmou. Ao destacar o importante papel socioconômico do setor, Ducci lembrou que a Prefeitura de Curitiba mantém uma importante parceria com as cooperativas. “Adquirimos diversos produtos das cooperativas para os 32 Armazéns da Família que funcionam na cidade. Isto permite que mais de 200 mil famílias adquiram produtos até 30% mais baratos em relação à rede convencional de supermercados. Isto é um grande avanço que vem acontecendo na cidade de Curitiba, ao longo dos últimos sete anos”, frisou. 
 

ENCONTRO ESTADUAL XI: Abelardo Lupion diz que Lei Cooperativista tem que ser aprovada em 2012

 “Há um grande nó a ser desatado que a Lei Cooperativista. Estão nos devendo a aprovação desse texto e temos cobrado muito isso do Senado”, disse o deputado federal Abelardo Lupion, nesta sexta-feira (02/12), durante o Encontro Estadual de Cooperativistas Paranaenses. Segundo o parlamentar, a expectativa é que em 2012 a Lei Cooperativista enfim passe pelo Senado. “Esperamos que os nossos senadores tenham no próximo ano uma maior sensibilidade em relação ao que significa o cooperativismo para o Brasil. Se hoje temos superávit primário é em função da agricultura, é porque existe um produtor de alimentos no campo. Então, é preciso dar condições para que ele possa trabalhar mais socialmente, dividindo as riquezas, ao invés de ter que pagar impostos altos. A Ocepar e a OCB representam muito bem esse sentimento, motivo pelo qual há uma grande mobilização dessas entidades em Brasília em torno da aprovação da Lei Cooperativista”, disse.

 

Orgulho – Em relação ao Encontro Estadual de Cooperativista, Abelardo Lupion disse que sente muito orgulho em participar desse evento, por tratar-se de um momento que evidencia a força e organização do setor cooperativista.  “É uma ocasião em que também a Ocepar mostra o que vem fazendo pelo Paraná e pelo Brasil.  Em seis mandatos como parlamentar, sempre que preciso de qualquer assunto referente ao setor cooperativo, peço à Ocepar que, aliás, sempre esteve presente em Brasília. Tenho, portanto, muito a agradecer a Ocepar, em nome do produtor rural brasileiro e de todos aqueles que estão ligados aos diversos ramos do cooperativismo”.

 

Sérgio Souza - O senador Sérgio Souza parabenizou a Ocepar pela pujança do evento e importância do cooperativismo, o qual vai além da agricultura, pois abrange outros ramos, a exemplo, do crédito, saúde, transporte, educação, entre outros. “A Ocepar é muito atuante. Lembro do número de vezes em que recebi a Ocepar em Brasília para discutir questões relacionadas ao Código Florestal. Foram várias reuniões e visitas. Isto ajudou a fazer com que tenhamos avançado muito em relação ao texto do novo Código Florestal Brasileiro. Pela primeira vez, teremos uma legislação que realmente pode ser aplicada e que foi amplamente discutida. Há ainda alguns pontos que precisam ser ajustados, mas tenho certeza de que é possível chegar a um consenso”, disse.

 

ENCONTRO ESTADUAL XII: Maestro emociona a plateia

O maestro João Carlos Martins foi o palestrante da tarde no Encontro Estadual. O músico contou aos cooperativistas sua surpreendente trajetória na música e na vida. Pianista brilhante, considerado um dos melhores intérpretes de Johann Sebastian Bach de todos os tempos, Martins enfrentou dificuldades de saúde que quase colocaram um fim em sua carreira. Com persistência e muito trabalho, ele soube transpor as barreiras físicas e tornou-se uma referência de superação e coragem. Quando, aos 64 anos, teve mais um problema nas mãos, que dificultaram sua performance no instrumento, decidiu que não teria como manter o mesmo perfeccionismo ao piano. Foi então que decidiu aprender a reger e em pouco tempo tornou-se maestro. Sete anos e 1000 apresentações depois, Martins considera que a regência o fez perceber que teria uma missão a cumprir. “Agradeço a Deus por continuar na música, mas entendi que tinha que me voltar para as questões sociais e criei em 2004 a Orquestra Bachiana Filarmônica e mais tarde a Orquestra Bachiana Jovem, para dar oportunidade para novos talentos e levar a música clássica a todos os públicos”, disse. Com a participação de músicos de Curitiba, Martins interpretou algumas músicas, do erudito ao popular, e emocionou o público ao tocar piano, usando três dedos, com a mesma emoção que o fez ser aclamado por plateias de teatros como o Carnegie Hall, de Nova Iorque. “É preciso estar sempre pronto e disposto a aprender. Nunca devemos desistir, correr atrás do sonho com perseverança, até que um dia o sonho passa a correr com você”, concluiu. 

 

ENCONTRO ESTADUAL XIII: Talentos culturais do cooperativismo dão show de música e teatro

À tarde, a programação do Encontro Estadual de Cooperativistas Paranaenses foi aberta por talentos artísticos do cooperativismo que se destacaram na 5ª edição do Intercâmbio Cultural entre Cooperativas (ITC), evento realizado no Dia Internacional do Cooperativismo, 2 de julho, com a participação de mais de 800 pessoas, em Curitiba. A primeira a se apresentar foi a Banda Versus Gargamel, de Cascavel, que representou o Sicredi Cataratas do Iguaçu. Os integrantes da banda tocam juntos há 15 anos e empolgaram o público com seu repertório variado.

 

Teatro – Depois, a diversão ficou por conta da comédia “A Brega e a Chique”, encenada por um grupo de participantes do núcleo cooperativista feminino da unidade de Chopinzinho da Cooperativa Coasul. Trata-se de uma peça de teatro mudo que relata de uma maneira divertida as diferenças entre as pessoas. O evento foi encerrado com sorteio de brindes.
 

TRIGO: Redução do PIS/Cofins atende a pleito do setor produtivo

O pacote de medidas anunciado nesta quinta-feira (01/12) pelo governo federal para estimular o consumo traz dois itens que contemplam um dos pleitos do setor produtivo em relação à cultura do trigo: a manutenção, até 31 de dezembro de 2012, da redução da alíquota do de PIS/Cofins sobre trigo, farinha de trigo e pão francês, de 9,25% para 0%, inicialmente prevista para acabar este ano. Já o PIS/Cofins cobrado sobre as massas (macarrão, por exemplo) passou de 9,25% para 0%. A medida vale até 30 de junho de 2012 e irá gerar desoneração de R$ 284 milhões. “Trata-se de uma decisão importante que já representa um avanço para o setor”, disse o presidente do Sistema Ocepar, João Paulo Koslovski.

 

Audiência pública - Na última terça-feira (29/11), Koslovski participou de uma audiência pública na Câmara dos Deputados, onde apresentou as propostas do setor produtivo para a formatação de uma política agrícola para a triticultura nacional. São 25 sugestões agrupadas em nove grandes temas, entre eles, tributação do trigo e derivados. Os demais são: preço mínimo de garantia e instrumentos de comercialização; qualidade e padrão oficial de classificação do trigo; salvaguardas a importações; vigilância sanitária e meio ambiente; legislação de cabotagem; recursos e juros para custeio; seguro de produção; e apoio às atividades de suporte à produção do cereal.

 

Elaboração  conjunta - As sugestões foram elaboradas em conjunto pela Ocepar, Federação da Agricultura do Estado do Paraná (Faep), Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento (Seab), Federação das Cooperativas Agropecuárias do Rio Grande do Sul (Fecoagro/RS), Federação da Agricultura do Rio Grande do Sul (Farsul), Confederação Nacional da Agricultura (CNA), Embrapa e Conab.

 

Longo prazo -“Nós precisamos de uma política de longo prazo que garanta renda ao nosso produtor e promova a integração da cadeia produtiva. Necessitamos ainda reverter a nossa posição histórica da produção, que ainda não é autossuficiente em nosso País. Precisamos de incentivos para que o produtor consiga produzir todo o trigo que o país consome e assim não dependermos mais da importação pois estamos gastando US$ 1,7 bilhão com a compra do cereal de outros países”, disse Koslovski. “Se atingirmos esse objetivo, vamos economizar divisas e gerar empregos no Brasil. Também é importante viabilizar a participação do Brasil como exportador de trigo e criar mecanismo para rever as regras do Mercosul”, disse Koslovski na audiência pública.

 

Principais medidas - Confira abaixo algumas das principais medidas anunciadas pelo governo federal:

- Isenção de IPI para fogões e tanquinhos

- Corte do IPI de máquinas de lavar de 20% para 10%

- Redução do IPI de geladeiras de 15% para 5%

- PIS/Cofins de trigo, farinha de trigo e pão francês continua zerado até o fim de 2012 (estava previsto voltar a 9,25% em janeiro)

- Isenção de PIS/Cofins de massas, como macarrão. O imposto atual é de 9,25%

- Corte do IOF sobre crédito ao consumidor (como cheque especial e financiamentos), de 3% para 2,5%

- fim do IOF de 2% em aplicações de estrangeiros na Bolsa

- Redução de tributos do Minha Casa, Minha Vida, de 6% para 1% em imóveis de até R$ 85 mil

 

Eletrodomésticos e pão francês

Entre os produtos da chamada linha branca, as principais reduções do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) são de fogões (de 4% para zero), da geladeira (de 15% para 5%), máquinas de lavar (de 20% para 10%) e tanquinhos (de 10% para zero). As medidas valem também para os estoques que já estão nas lojas e vão vigorar até 31 de março de 2012.

Já a alíquota de PIS/Cofins sobre trigo, a farinha de trigo e pão francês, continua reduzida de 9,25% para 0% até o fim de 2012. Antes, a redução estava prevista para acabar este ano.

O PIS/Cofins cobrado sobre as massas (macarrão, por exemplo) passou de 9,25% para 0%. A medida vale até junho de 2012. Essa medida irá gerar desoneração de R$ 284 milhões.

 

Empréstimos e Bolsa de Valores

O governo anunciou também a redução do IOF sobre crédito ao consumidor (como cheque especial e financiamentos), de 3% para 2,5%, além da eliminação do IOF de 2% que incide sobre a aplicação de investidores estrangeiros em ações na Bovespa.

 

Construção civil

No setor da construção civil, foi anunciada a redução de tributos para projetos do Programa Minha Casa, Minha Vida. Houve queda da alíquota de 6% do Regime Especial de Tributação da Construção Civil (RET) para 1%. As empresas pagam o RET sobre o faturamento como um tributo único que substitui o PIS, a Cofins, o Imposto de Renda da Pessoa Jurídica e a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL). Foi ainda ampliada a faixa da habitação de interesse social de R$ 75 mil para R$ 85 mil. Ou seja, para as casas que custam até R$ 85 mil, a alíquota do RET passa a ser de 1%.

 

Clique aqui e confira a edição extra do Diário Oficial com a íntegra das medidas

   
"Cooperativismo, caminho para a Paz e Democracia"

Av. Cândido de Abreu, Nº 501 - Centro Cívico - CEP: 80530-000 Curitiba PR
Telefone: (41) 3200-1100 Fax: (41) 3200-1199